Neste artigo sobre tipologia na web e seu uso em sites, apresento algumas “questões tipográficas” e faço uma diferenciação entre termos comuns e frequentemente confundidos, como “tipologia”, “tipografia”, “tipo”, “fonte” e “fonte tipográfica”.

Considerações sobre a prática tipográfica na web

Os web sites, hot sites, mini sites, portais, sistemas web e softwares, campanhas online e o material encontrado na web, em geral, estão atualmente em uma fase de “amadurecimento”. As pessoas ainda estudam as melhores técnicas e possibilidades sobre o desenvolvimento para web e, devido a esta área do conhecimento ainda ser relativamente recente, ainda não se tem posicionamentos oficiais a respeito – na verdade, nem nas áreas de conhecimento e estudos tradicionais -, o que resultado em uma produção em massa de um material que poderia ter mais qualidade do que se vê.

A relativa facilidade de contato com o desenvolvimento web e, até certo ponto, ausência de obstáculos para se adentrar no ramo – fora o fato da disseminação de cursos do tipo “Web Design em 6 meses”, que aparecem mais e mais -, todos estes figuram como incentivadores às pessoas.

Até certo ponto, isso é positivo, já que permite que todos os interessados aprendam coisas novas e, rapidamente, iniciem o desenvolvimento de seus próprios web sites de forma profissional, sendo remuneradas por seu trabalho.

Por outra perspectiva, “qualquer um” desenvolver web sites tem seus pontos negativos, já que, por um motivo ou por outro – e principalmente pelos certificados que recebem do tipo de curso que foi citado -, os ainda principiantes na arte de desenvolver a web não sabem dos pormenores desta profissão e sobre como o fato de estudar e aprender a cada dia para adquirir novos conhecimentos e atualizar os que já se tem, é essencial!

E esta situação abarca, também, os inúmeros equívocos, falta de conhecimento e especulações sobre a correta utilização tipográfica no desenvolvimento de web sites e afins. Tendo o ledo engano de que fazer o “mais ou menos” é o suficiente, os desenvolvedores não prestam a devida atenção à tipografia na web. Frisando: o conhecimento e constantes estudos desta parte do desenvolvimento para web é muito importante para que os que se interessam seriamente pela área produzam designs web – e designs, em geral – melhores, que satisfaçam e agradem os visitantes dos sites que desenvolvem.

Teoria antes da prática: explicação de termos relacionados à tipografia na web

Antes da prática, vem sempre a teoria. Sempre foi assim. Alunos de medicina passam anos lendo livros, vendo filmes e se informando de maneira diversas antes de operar alguém e nenhum estudante de engenharia constrói um prédio nos primeiros períodos faculdade. O mesmo se aplica ao desenvolvimento para web: ninguém aprende a desenvolver bons sitessites profissionais – em 6 meses…

Então, é necessária teoria antes da prática. É necessário que a correta definição dos termos da área sejam corretamente esclarecidos e aprendidos. Com isso, equívocos inoportunos e confusões desnecessárias são evitadas e um material com mais qualidade pode ser produzido.

Diferença entre Tipologia e Tipografia

É comum haver confusão entre os termos “tipologia” e “tipografia”. Não é “mal” de quem faz a confusão; a própria grafia e pronúncia são um pouco semelhantes e realmente podem causar confusão. Em um breve – mas muito bom – artigo sobre tipologia e tipografia, Sergio D Stefano, colunista do Webinsider, explica a diferença entre os termos:

Uma grande bobagem que tenho ouvido ao longo dos anos é a insistência no uso do termo tipologia a para classificação de tipos. Tipologia na verdade é um termo pertencente à taxionomia, a ciência das classificações, o estudo das características das diferenças entre objetos e seres vivos de toda espécie.

Nós temos a tipografia que, aí sim, é a arte e processo de criação de caracteres. A tipografia tem origem etimológica na implantação da impressão por tipos móveis na Europa, a partir do século XV. Portanto é a forma certa.

Na maioria das vezes pode parecer bobagem “ficas cismado” com falar uma palavra errada aqui, outra acolá, já que o que importa, mesmo, é enteder sobre o assunto, em suas diversas nuances. Entretanto, ao utilizar um termo errôneamente estamos, em primeiro lugar, errando – e fazer isso, por exemplo, na presença de um cliente, pode ser muito desgradável – e, depois, transmitindo um conhecimento errado, propagando um equívoco que, se tivéssemos estudado um pouquinho mais a respeito, teríamos evitado.

Então, para acabar de vez com este equívoco sobre tipologia e tipografia e, a partir de agora usar o termo correto, quando queremos dizer que estamos envolvidos em alguma atividade sobre a criação/estudo de tipos, usamos o termo tipografia. Combinado? ;-)

Um pouco mais de informação sobre a Tipografia

Mais uma vez utilizando o bom conteúdo da Wikiédia, para expandir mais o tema transcrevo uma sucinta explicação sobre a Tipografia:

A tipografia (do grego typos – “forma” – e graphein – “escrita”) é a arte e o processo de criação na composição de um texto, física ou digitalmente. Assim como no design gráfico em geral, o objetivo principal da tipografia é dar ordem estrutural e forma à comunicação impressa. Tipografia também é um termo usado para a gráfica que usa uma prensa de tipos móveis.

Na maioria dos casos, uma composição tipográfica deve ser especialmente legível e visualmente envolvente, sem desconsiderar o contexto em que é lido e os objetivos da sua publicação. Em trabalhos de design gráfico experimental (ou de vanguarda) os objetivos formais extrapolam a funcionalidade do texto, portanto questões como legibilidade, nesses casos, podem acabar sendo relativas.

No uso da tipografia o interesse visual é realizado através da escolha adequada de fontes tipográficas, composição (ou layout) de texto, a sensibilidade para o tom do texto e a relação entre texto e os elementos gráficos na página. Todos esses fatores são combinados para que o layout final tenha uma “atmosfera” ou “ressonância” apropriada ao conteúdo abordado. No caso da mídia impressa, designers gráficos (ou seja, os tipógrafos) costumam se preocupar com a escolha do papel adequado, da tinta e dos métodos de impressão.

Apesar de estes conceitos e definições terem foco especialmente às mídias impressas, é perfeitamente possível e aceitável “adaptarmos” tudo e pensar sobre a tipografia com foco ao design web. É importante, então, muito atenção a este assunto porque, com certeza, este é um dos assuntos mais úteis e bons de se tratar – e praticar – no desenvolvimento para web.

“Tipo”, “Fonte” e “Fonte Tipográfica”

Outros equívocos que são feitos quanto à terminologia tipográfica é a respeito dos termos tipo, fonte e fonte tipográfica – na verdade, os equívocos dizem respeito mais aos dois primeiros. Novamente, para sermos claros e precisos enquanto profissionais da web, não podemos cometer equívocos desnecessários e facilmente evitados.

Fonte e Tipo, na verdade, querem dizer a mesma coisa. Entretanto, devido ao mau uso do termo, principalmente por traduções mal-feitas de softwares estrangeiros para a língua portuguesa – editores de texto, por exemplo, usam o termo “fonte”, quando o correto deveria ser “tipo” -, o uso corrente e disseminação deste termo para designar tipos foi inevitável. Tanto que, em explicação a este respeito, consta que a tradução para português de Portugal, nestes programas, ficou “Tipo de Letra” – que é o certo – ao invés de “Tipo de Fonte” – que é o equivocado.

E, quanto á “fonte tipográfica”, é usado para diferenciar e referenciar que se está falando sobre “fontes de tipos” ao invés das outras significações de “fonte”, como “fonte de informações” ou “fonte d’água”.

Conclusão

É importante, então, que se usem os termos corretos quando estivermos lidando com o estudo da tipografia e assuntos tipográficos, em geral, não fazendo confusão entre termos que, aparentemente, querem dizer a mesma coisa. “Fonte” virou sinônimo de “Tipo” principalmente em função de traduções famosas equivocadas, mas o correto é “tipo de letra” ao invés de “tipo de fonte”.