Parece existir uma grande diferença entre os desenvolvedores e o pessoal de UX (às vezes chamados “UXers”) hoje em dia. Então ou você é um desenvolvedor ou um praticante de UX, certo? Bem, como geralmente acontece, as coisas podem estar mudando. Para ajudar neste sentido, é bom ter em mãos uma checklist de UX para desenvolvedores.

Experiência do Usuário (UX) agora é proeminente

Se o software que está sendo criado agora precisa de direção de UX, isso é um problema, já que a oferta deve atender à demanda.

Já faz mais de uma década que um único dispositivo efetivamente redefiniu o que a experiência do usuário de software deve ser. O iPhone provou que o software deve proporcionar uma experiência próxima à perfeição, como pode ser visto nos bilhões de bolsos que agora transportam o dispositivo ou um que seja semelhante, tanto em forma, quanto em função. Em essência, ele mudou a percepção do que o software deve ser e, consequentemente, as expectativas das pessoas também mudaram… para sempre! Podemos estar falando sobre um aplicativo para celular ou algum tipo de sistema corporativo, mas cada peça de tecnologia precisa cumprir os padrões de usabilidade que o iPhone inaugurou. Se não, corre o risco de cair em obsolescência.

Este tipo de UX não é fácil de criar; é preciso um esforço concertado de vários profissionais para alcançar essa experiência. A má notícia é que não há UXers suficientes para dar a volta. Assim, enquanto a demanda é maior do que nunca, a oferta luta para se manter: se o software que está sendo criado agora precisa de direção de UX, isso é um problema, já que a oferta deve atender à demanda.

A escassez de competências de TI e a ascensão das “plataformas de pouco código” (low-code)

Não são apenas profissionais de UX que são difíceis de encontrar, o uso crescente da tecnologia e os esforços de transformação digital das empresas criaram a necessidade de mais profissionais de TI. Devido a esta falta de conjunto de habilidades, plataformas low-code — como OutSystems e Salesforce — têm ganhado proeminência. Essas plataformas low-code abstraem a complexidade tecnológica, deixando os desenvolvedores mais focados na solução do problema do que em domar a tecnologia necessária para realizá-lo. A plataforma está lá para torná-los mais produtivos.

Devido à velocidade com que os desenvolvedores estão agora estamos habilitados a trabalhar, se não se pensa em UX e se não a coloca como prioridade desde o início, ela pode acabar ficando para trás. Se a usabilidade não é nada além de um pensamento secundário, você precisa ter medo. Muito medo.

Desenvolvedores como aspirantes de UXers

Quando os desenvolvedores trabalhamos sem uma orientação detalhada de interface em uma aplicação, é preciso considerar uma perspectiva diferente: não se trata de “obter essa nova caixa de seleção na página, respondendo à regra de negócios e executando sem erros”; trata-se de “não arruinar a experiência para as 1.000 pessoas que usam o formulário 100 vezes por dia”.

Porém, é mais fácil falar do que fazer. Desenvolvedores (geralmente) não fomos treinados neste aspecto e não sabemos por onde começar.

Adotando uma nova perspectiva

Devido à velocidade com que os desenvolvedores estão agora estamos habilitados a trabalhar, se não se pensa em UX e se não a coloca como prioridade desde o início, ela pode acabar ficando para trás.

Ao se trabalhar com desenvolvedores neste respeito, é possível descobrir que há um conjunto de perguntas que podem levar a uma nova perspectiva e, eventualmente, na criação de uma experiência bastante aceitável. Estes são “pontos de entrada” (entry points) para uma nova maneira de pensar sobre o software, no nível de tarefa de desenvolvimento.

As questões são colocadas em três momentos diferentes:

  1. Antes de iniciar uma tarefa de desenvolvimento;
  2. Enquanto a tarefa está sendo desenvolvida;
  3. Depois que a tarefa foi concluída.

Antes de iniciar uma tarefa de desenvolvimento

Confira itens da checklist de UX para desenvolvedores antes de se iniciar uma tarefa.

Por que as pessoas vêm a esta página?

Primeiro, os desenvolvedores precisamos saber por que as pessoas acessam determinada página. Essa informação provê contexto para apoiar o usuário na obtenção do objetivo da página — enquanto tenta não tornar sua vida completamente impossível. Não raramente, desenvolvedores começamos o desenvolvimento de uma página sem nunca imaginar qual é seu propósito. Ao fazê-lo, é uma questão de sorte se essa página será utilizável ou não.

Por exemplo:

Ao decidir sobre os 10 campos (!) que vão para a lista em uma página, fora das 100 colunas do banco de dados, será fundamental saber porquê as pessoas passam por essa lista. O que elas estão procurando? O que ajuda o seu processo de decisão no registro de detalhamento?

O que as pessoas estão tentando fazer?

As pessoas não vagueiam através de telas sem rumo. Há um gatilho em seu mundo que eventualmente os leva a uma tela particular; o que esse gatilho é, e quais dados ele carrega, pode fazer um mundo de diferença em como ele responde às necessidades de cada pessoa.

Por exemplo:

Se a ação que estimula as pessoas a usarem esse recurso de aplicativo é um e-mail com um código de produto, talvez faça sentido permitir que eles pesquisem por produto — digamos, o código do produto — ao invés de procurar por nome.

Com que frequência as pessoas fazem isso?

Se as pessoas vão realizar uma ação todos os dias, várias vezes por dia, então eles são usuários freqüentes. É preciso buscar a eficiência, pois eles vão aprender como a aplicação funciona através de uso repetido; é preciso reduzir qualquer “ponto de atrito”, atalhos de teclado de suporte ou mesmo operações em massa.

Se forem principalmente usuários de primeira vez ou usuários esporádicos, estes visam simplicidade e intuitividade, como colocar menos elementos em tela e fornecer mais direção e conteúdo de suporte.

Por exemplo:

Se este é um aplicativo de comércio eletrônico e a pessoa está preenchendo os detalhes para uma pedido, solicitar cada informação em sua própria etapa e fornecer assistência suficiente para o usuário fazer progresso com confiança. Se, no entanto, o pedido está sendo feita por um intermediário, solicitando dezenas de itens, dezenas de vezes por dia, provavelmente deva-se considerar colocá-lo em uma única página com operações em massa — talvez upload de um arquivo CSV ou algo do tipo.

Enquanto a tarefa está sendo desenvolvida

Há, também, itens importantes da checklist de UX para desenvolvedores enquanto a tarefa está sendo desenvolvida.

Você está sendo ordenado?

Uma interface que é incoerente e mal definida, com elementos desalinhados, afeta a confiança das pessoas na aplicação. Isso resulta na perda de qualidade percebida, independente da magia que você fez sob o capô.

Exemplo:

Você faria uma compra em um site que tem um layout quebrado e está cheio de informações confusas? Provavelmente não! Se este fornecedor não está preocupado em ter o básico definido, só podemos nos perguntar o que mais não está lá.

Você está sendo consistente?

Valide se é possível usar um padrão existente. Certifique-se de chamar as mesmas coisas com os mesmos nomes. Certifique-se de colocar o mesmo tipo de ações nos mesmos locais.

Fundamentação:

Seres humanos somos formidáveis com padrões. Eles nos permitem processar as enormes quantidades de informações lançadas em nós a cada momento. Essa informação se encaixa em padrões para os quais já (inconscientemente) temos uma compreensão a respeito. Se a informação segue padrões inconsistentes, força-nos a racionalizar cada peça, tornando-a esmagadora. Um usuário esmagado é um usuário frustrado e cansado. Este é o tipo de usuário que geralmente não evolui para se tornar um cliente.

Você está preenchendo campos com dados realistas?

Se não tiver certeza sobre o que os campos exibirão no final, não saberá como o aplicativo funcionará. Verifique se os dados exibidos estão claros e facilmente legíveis.

Exemplo:

É muito comum o uso de dados fictícios no desenvolvimento e ambientes de qualidade, como “teste1”, “teste2”, “asdasdasd” etc. O perigo de não usar dados realistas é que o layout será modificado com os dados reais, movendo e escondendo elementos que podem ser importantes para a experiência final.

Depois que a tarefa foi concluída

Veja os itens da checklist de UX para desenvolvedores para depois que a tarefa foi concluída.

Trata-se de um caso de uso principal?

Se esta é uma função crítica do seu site/app, dê alguns passos para trás de sua estação de trabalho e traga alguém para executá-la. Isso revelará idéias muito importantes e detalhadas, o que pode ser fundamental para o sucesso da aplicação. Idealmente, é preciso realizar alguns testes de usabilidade. Saiba mais sobre eles e lhes dê uma oportunidade de estarem presentes no “ecossistema” de seu software.

Por exemplo:

Quando o contexto adicional está ausente, tendemos a desenvolver coisas para nós mesmos. E geralmente estamos longe do perfil típico do usuário final. Basta ter alguém tentando usar nossa obra-prima, com o mínimo de antecedentes, para trazer uma enorme quantidade de percepção e poder levar a uma experiência de mudança de paradigmas.

Não se trata de um caso de uso principal?

Neste caso, basta fazer um rápido passo a passo com algum colega. Provavelmente você ficará surpreso com o que virá deste simples teste.

Exemplo:

Você conhece a técnica do pato de borracha? É parecido: à medida que você explica sua nova interface para outra pessoa (ao invés de para um pato de borracha), necessariamente criando uma nova perspectiva sobre ela, você será capaz de ver coisas novas a seu respeito.

Você está orgulhoso do que fez?

Você aceitaria crédito por isso em uma reunião? Você suportaria isso sob críticas? Se você não se importa com o resultado final do que você está fazendo, então a UX está provavelmente perdida.

Exemplo:

Há desenvolvedores que realmente não se preocupam sobre como as coisas surgem na tela, não importa o quanto se converse com eles ou se mostre o resultado final insatisfatório. Para estes casos, a melhor opção é movê-los para baixo na pilha, deixando-os o mais longe possível dos usuários.

Conclusão sobre a checklist de UX para desenvolvedores

Para facilitar o entendimento e fixação, eis um “resumo esquemático” da checklist de UX para desenvolvedores:

Essas orientações e perguntas simples da checklist de UX para desenvolvedores podem levar desenvolvedores a um novo caminho, rumo a encontrar um novo significado em seu trabalho. Desenvolvedores que realmente abraçam a perspectiva da UX serão os novos rockstars de amanhã! \m/

O uso crescente da tecnologia e os esforços de transformação digital das empresas criaram a necessidade de mais profissionais de TI com habilidades de UX. Este é o lugar para se começar.