Local Maximum

Você sabe o que é “Local Maximum”? Leia o artigo e saiba se está na hora de fazer uma mudança completa em seu projeto a partir do Local Maximum.

Você sabe o que é “Local Maximum“? Sabe onde ele fica dentro do seu processo de design e se está na hora de ultrapassá-lo em busca de resultados melhores? Leia mais e saiba o que é o Local Maximum, exemplos práticos e de que maneira é possível ultrapassá-lo (ou não) em busca de resultados melhores.

Você já sentiu que o seu design se tornou obsoleto e que, apesar de você ter feito muitas pequenas mudanças ao longo do tempo sem qualquer grande reformulação, não há como melhorá-lo drasticamente?

Nesse caso, você provavelmente atingiu o que Andrew Chen chama de Local Maximum. O Local Máximo é um ponto no qual você atingiu o limite do design atual. Ele é tão eficaz quanto o será em sua atual “encarnação”. Mesmo se você fizer 100 ajustes, só poderá obter muita melhora; é tão eficaz como sempre será em sua fundação estrutural atual.

Gráfico mostrando o Local Maximum e um ponto mais alto, "Design melhor".

O Local Maximum ocorre com frequência quando profissionais de UX confiam demais em testes A/B ou outras abordagens de teste para fazer melhorias. Esse tipo de design é tipificado pelo Google e pela Amazon… Eles fazem muitos testes, mas raramente fazem grandes alterações.

Enquanto um ciclo de melhorias menores é melhor do que os processos de projeto disfuncionais que a maioria de nós está presa, uma das críticas a esse tipo de otimização extrema é que ela é sempre e apenas incremental: você só pode fazer algumas pequenas alterações de cada vez, portanto, seu design evolui lentamente. E se você estiver fazendo testes rigorosos, alterando apenas uma variável por vez, só estará alterando uma pequena parte do seu aplicativo em cada iteração. Este ciclo de trabalho se torna dependente de quão rápido você pode executar testes.

Para o Google e a Amazon, por exemplo, que são agraciados com milhões de visitantes por dia, isso não é problema, pois eles podem executar testes muito rapidamente. Para a maioria das pessoas que desenvolvem sites, o baixo volume de tráfego pode ser um grande obstáculo, porque significa que os testes precisam ser executados por mais tempo e, portanto, reduzem a taxa de iteração.

Para ilustrar a noção de Local Maximum, Chen usa o exemplo de um aplicativo de upload de fotos, apontando que há muitas maneiras de melhorar uma oferta, otimizando o que existe atualmente. Você pode testar a página de envio de fotos atual, enviar mais e-mails para lembrar as pessoas sobre o upload, adicionar mais calls to actions para fazer o upload etc. É fácil projetar e testar essas opções.

Mas, depois de um tempo, esses resultados são poucos e, como designer de UX, você tem duas opções: continuar tentando alternativas cada vez maiores (otimizar) que são pequenas o suficiente para testar ou tentar fazer uma mudança estrutural maior que realmente inove.

Outras abordagens para melhorar um aplicativo de fotos além da otimização provavelmente teriam um retorno maior:

  • Reposicionar o produto para uma proposta de valor mais forte
  • Ir além de um tipo de público para atingir suas necessidades
  • Recalibrar o “núcleo mecânico” do produto para fazer upload de fotos uma parte natural do uso do produto

Como essas alterações são muito maiores do que um único elemento de design que você pode testar com eficiência, fazer uma alteração nelas exige uma decisão de design arrojada. Alguém tem que se aproximar e se arriscar com base em sua intuição: o que eles acham que vai funcionar ao invés do que o teste provou funcionar.

Design através do Local Maximum

Para projetar através do Local Máximo, é preciso de um equilíbrio entre a metodologia de teste voltada para a ciência e o senso intuitivo que os designers usam ao fazer grandes mudanças; é preciso alternar de forma inteligente entre inovação e otimização, pois ambos são necessários para projetar ótimas experiências de usuário.

Uma estratégia possível é otimizar até se chegar a um ponto de retorno decrescente: projetar, fazer design, até que as alterações não estejam tendo um grande efeito. Em seguida, parar de otimizar e retornar a outros tipos de análise para descobrir os próximos passos. Realizar entrevistas. Fazer testes de usuário, pesquisas, perguntas. Em suma, descobrir os maiores pontos de dor existentes em vez de se concentrar em pequenos elementos de design nesta fase.

Concentrar-se no nível de atividade. O que as pessoas estão tentando realizar? Quais são seus objetivos de nível superior? O que queremos que as pessoas façam, mas ela não estão? Quais são os grandes obstáculos que impedem que elas tomem a próxima ação? Esse nível de percepção permitirá mudanças maiores.

E, quando chegar a hora de fazer as maiores mudanças, quando você decidir saltar do seu Local Máximo para alguma outra possibilidade de projeto, tomar a decisão com convicção. Mas não se esqueça de que a otimização está apenas começando.

Conclusão sobre o Local Maximum

Certa vez alguém disse que o primeiro passo para resolver um problema é nomeá-lo corretamente. O conceito de Local Maximum certamente não é conhecimento geral — é até bem desconhecidos entre os chamados profissionais de UX –, mas, certamente, seu entendimento traz muito entendimento sobre (eventuais) problemas reais que podem ser resolvidos para se buscar a mudança para melhor.

E você, tem algum exemplo de Local Maximum? Algum projeto que participa atualmente precisa ultrapassar esse ponto? Comente!